quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Paraísos semeáveis

Ando já há algum tempo martelando sobre a importância e a necessidade de pensarmos a respeito do processo acelerado do envelhecimento da população brasileira, sobretudo no que isto tem de mais diretamente ligado a nós, LGBTTs - os/as idosos/as homossexuais e travestis, ao envelhecerem, são compelidos pelas circunstâncias a retornarem ao "armário", isto é, à invisibilidade.

A população de idosos LGBTTs da atualidade, por força da representação estigmatizante que prevalecia (e ainda prevalece) sobre a homo e a travestilidade, viu na juventude romperem-se os vínculos com a família consanguínea (que os repudiava ou não permitia condições de vida além do segredo e clandestinidade). Pode-se considerar que muitos tenham tido condições de (re)construírem sua rede de apoiadores, capaz de lhes prover o necessário suporte social, pela via de relações "entre iguais". Entretanto, ainda mesmo entre estes, a tendência é que, em razão do envelhecimento, essa rede, acaso preservada das contingências das trajetórias de seus indivíduos isoladamente considerados, não tenha condições de oferecer o suporte necessário ao processo de envelhecimento, já que se compõe em geral de indivíduos da mesma faixa etária. Quando não se desfaz, seja pela trajetória individual de seus elementos, seja pela sua morte. Alie-se a isso o fato mesmo da vulnerabilidade intrínseca ao processo de envelhecimento.

Ah, mas há os programas sociais do governo! - dirão alguns (como ouvi dizer a Assistente Social na primeira e única reunião do Comitê Carioca da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio de Janeiro.)

Sim, há o Benefício de Prestação Continuada, há a aposentadoria por invalidez... Mas, convenhamos: - Com o dinheiro pago pelo benefício, o/a cidadão/a LGBTT vai conseguir morar onde? E como? Sem falar no custeio da alimentação... (O atendimento médico e de enfermagem o SUS garante, juntamente com o fornecimento dos medicamentos.)

Sabemos todos que a quantidade de casas-lares para idosos é insuficiente para atender à demanda. Para não falar em suas condições de habitabilidade, do tipo de tratamento que é dispensado aos velhos e velhas ali residentes. Sabemos, igualmente, que a tendência é o homossexual e travesti se verem compelidos a outra vez voltar para o "armário" - de modo a evitar os presumíveis (e inclusive já noticiados) gestos de estigmatização. 

- Então, como se darão as concretas condições de vida desse contingente da população de brasileiros/as? Como elas estão se desenvolvendo na realidade de nossos dias?

Não sabemos. Não dispomos de estatísticas, de estudos avaliativos, dimensionadores dessa questão social. Tendo em vista o que conhecemos das condições do envelhecimento da população mais pobre no Brasil e das condições de vida do segmento LGBTT, é possível construirmos hipóteses. E elas apontam para o recrudescimento no processo de invizibilização, seja da identidade de gênero, seja da orientação sexual desse segmento. E, juntamente com o retorno da invizibilização, cresce a vulnerabilidade.

Sobre isto é que venho insistindo para que se reflita. E, além de refletir, que se haja! O que é possível fazer?! Ah, muita, muita coisa!

Várias são as possibilidades em termos de modelo jurídico - cooperativa, parceria público-privada, projeto governamental - e em termos de métodos construtivos, que pode muito bem ser através do tijolo ecológico (ou solocimento), dadas as suas características (termoacústico, econômico, resistente, capaz de até 2 pavimentos, ecológico). Inclusive, como já noticiei aqui, o Estado do Rio de Janeiro dispõe de uma fábrica desse tijolo no Presídio Industrial Esmeraldino Bandeira, no Complexo Prisional de Gericinó, RJ, o que facilitaria em muito a implantação de um projeto de condomínio inclusivo, com cotas para deficientes e LGBTTs, ou exclusivo para este segmento, que poderia ser com o apoio da iniciativa privada. O estado do RJ já inaugurou pelo menos um condomínio geriátrico assemelhado com o modelo que venho divulgando por aqui - sem nenhuma cota para LGBTTs, entretanto. Para conhecer o que venho pensando, basta seguir os marcadores "envelhecimento - velhice - políticas públicas - população de idosos homossexuais - envelhecimento de gays e lésbicas".

Sobre essa técnica (solocimento), aliás, há um grupo de jovens empreendedores da Escola Técnica Adolpho Bloch, do Estado do Rio de Janeiro, que partiu para os Estados Unidos em busca de financiamento ao seu projeto "Ecojolos, um plano de negócios para utilização de tijolos ecológicos na construção civil". Segundo a notícia que assisti na televisão, eles pretendem "revolucionar" as mentalidades dos construtores brasileiros, fazendo-os apostar nos benefícios desta técnica desenvolvida nos anos 30 (isto mesmo!) com a finalidade de suprir a demanda nacional por habitações populares (isto mesmo!) - mas que, ao que parece, o egoísmo e o desprezo que nossas classes dirigentes nutrem pela parcela mais descapitalizada de nosso povo não os deixaram adotar maciçamente esta técnica, preferindo construir para os pobres o modelito de habitação que bem conhecemos.

Há, igualmente, outras pessoas e grupos pensando em termos da disseminação dos usos desse método construtivo. Veja mais sobre esta técnica aqui, e aqui, PESQUISA EM HABITAÇÃO POPULAR E PROJETOS COMUNITÁRIOS.
Mas o que me fez hoje escrever outra vez sobre esta proposta foi a incrível experiência relatada por Katarina Peixoto, nas páginas da Carta Maior e reproduzida na Revista Fórum. Convido, portanto, à leitura  desta fascinante experiência em proteção social constituída espontaneamente por Katarina e alguns de seus amigos e os seus desdobramentos.

Parabéns à Katarina Peixoto, por tê-la implementado, por ter conseguido contagiar os seus amigos nessa "aventura-projeto". Eu desejo igualmente conseguir contagiar algumas almas por aqui.

Como você verá ao final da leitura do relato da Katarina, é possível, sim, transformarmos a realidade à nossa volta. Basta que não nos deixemos permanecer impermeáveis ao outro, aos outros, acomodados em nossa vidinha assim mais ou menos, voltados para o umbigo próprio.

Boa leitura! 

Uma história do Brasil Sem Miséria

 Quis testar o Estado brasileiro para ver se esses milhões tinham “carne”. Eu quis saber se esses números são reais ou ao menos se faz sentido e como pode fazer sentido ter gerado uma ascensão de classe social de 60 milhões de pessoas, em menos de dez anos

3 comentários:

O VIADO E A TRANSGRESSÃO POÉTICA disse...

Rita, amei a ideia do tijolo ecológico e acho que é por aí mesmo. Pena que os nossos empresários, contaminados apenas pela ideia do lucro e da "maioria" não enxerguem na população de quase 20 milhões de LGBT's uma possibilidade na construção de um mundo melhor: há sempre o esquecimento. Mas excelente que tem você para lembrar. Ah, só uma coisa: o vídeo, aqui, está parando nos 2:07minutos e não consigo fazê-lo seguir... mas já baixei com o Real Player e vou assistir inteiro.
Beijos e obrigado, compartilharei o post
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Rita Colaço Brasil disse...

Salve, Ricardo!
É, né? Temos tecnologia boa, barata e rápida; temos terrenos; temos o próprio estado com uma unidade de produção dos tijolos... O que é que falta, afinal? - Talvez a Constituição do Capistrano de Abreu (Art. 1º- Todo brasileiro é obrigado a ter vergonha na cara; Art. 2º - Revogam-se as disposições em contrário.)
- Você leu a segunda parte do texto? Não deixe de fazê-lo. É o relato de uma experiência fascinante com um morador de rua.
Beijos e volte sempre!

Rita Colaço Brasil disse...

31/07/2012 - 14h00
Sobreviventes do HIV enfrentam pobreza, solidão e preconceito

SARAH BOSELEY
DO "GUARDIAN", EM WASHINGTON

"[...] Mark Brennan-Ing, da Iniciativa Comunitária da América para a Pesquisa da Aids, falou na conferência sobre as "frágeis redes sociais entre as pessoas que vivem com HIV nos EUA e na Europa". As famílias abandonam essas pessoas, ou não lhes prestam auxílio suficiente, o que significa que os soropositivos acabam dependendo de amigos que muitas vezes também são portadores do HIV.

Homens homossexuais, disse ele, têm muito menos probabilidade de terem parceiros, cônjuges ou filhos que cuidem deles na velhice. Muitos dos entrevistados vivem com medo de enfrentarem hostilidade e rejeição nos lares para idosos.

Um homossexual de 52 anos, morador de Londres, disse ao THT: "Estou meio temeroso de uma velhice solitária. Em termos práticos, se eu me tornar mental ou fisicamente frágil, a perspectiva de ser o único homem gay em um lar para idosos é de fato muito assustadora".

Tradução de RODRIGO LEITE.
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1128473-sobreviventes-do-hiv-enfrentam-pobreza-solidao-e-preconceito.shtml