terça-feira, 4 de agosto de 2009

A Leviandade Intelectual da psicóloga Rosangela Justino

No blog da ABRACEH (ASSOCIAÇÃO DE APOIO AO SER HUMANO E À FAMÍLIA) - entidade presidida pela psicóloga Rosangela Justino
[http://abraceh.blogspot.com/], o último texto postado data de 16 04 09 e tem por título “A “NORMALIZAÇÃO” DA PEDOFILIA, Por Rozangela Justino”.” Em preâmbulo ou ementa, ela informa que “Este artigo é uma publicação da Câmara dos Deputados Federais. Centro de Documentação e Informação Coordenação e Publicações. Brasília, DF, 2008.
Faz parte de uma coletânea de artigos que o Deputado Henrique Afonso-AC reuniu no livro:
EM DEFESA DA VIDA E DA FAMÍLIA, Em maio de 2008
.” (Destaquei)

Antes de expor minha leitura do "artigo" da senhora Justino, sugiro insistentemente que * leitor* leia el* mesm*, na íntegra [http://abraceh.blogspot.com/].

A psicóloga Rosangela em texto pseudamente acadêmico, científico, mistura, deliberada e conscientemente, pedofilia, luta pelo reconhecimento dos direitos humanos de homossexuais, teoria queer, desconstrutivistas, anarquismo e feminismo. Estes três últimos, inclusive pasteuriza, homogeneizando-os como se foram blocos uniformes.

Afirma textualmente que são, todos eles:
a) antissociais
b) satanistas
c) se opõem ao atual sistema de crenças e valores sociais, especialmente dos valores cristãos
d) declaram que o incesto é um tabu e que as relações sexuais entre pais ou familiares com as crianças e adolescentes devem fluir livremente sem censuras.

Textualmente [http://abraceh.blogspot.com/]:
“Teóricos como Judith Butler , do movimento da desconstrução social, também denominado “queer”, composto pelos movimentos homossexual, feminista e o da revolução científica, juntamente com anarquistas, anti-sociais, satanistas e todos os outros opositores do atual sistema de crenças e valores sociais, especialmente dos valores cristãos, já declaram que o incesto é um tabu que precisa ser desconstruído e que as relações sexuais entre pais ou familiares com as crianças e os adolescentes devem fluir livremente, sem censuras, pois as proibições não passam de “tabus” criados pelo sistema patriarcal e pelo que denominam “normatividade compulsória heterossexual”.” (Destaquei)


Também mistura erotização infantil com pedofilia; política de educação para a diversidade com o reconhecimento do trabalho das prostitutas.

Como motivos causadores da pedofilia, entre outras manifestações populares, ela refere-se explicitamente às “passeatas gays”, “nas quais participam crianças e adolescentes.”

Textualmente [http://abraceh.blogspot.com/]:
“As crianças podem ser estimuladas sexualmente quando, involuntariamente, assimilam de modo subliminar os conceitos e valores advindos da liberação sexual. A estimulação vem de ...
No calendário cultural do país, já foram incluídas diversas manifestações populares que incluem naturalmente cenas sensuais, de simulação de sexo (explícito ou não) sem censura, nas quais participam crianças e adolescentes. São imagens advindas da música, da poesia, das artes plásticas, até do Carnaval e das passeatas gays. ...
Também não se pode deixar de citar o incentivo fornecido pelo próprio Estado quando este distribui cartilhas “educativas” a crianças e adolescentes nas escolas, orientando-as quanto ao comércio do sexo, e ao defender a inclusão pelo Ministério do Trabalho da prostituição como categoria profissional.” (Destaquei)


Diz ainda a psicóloga senhora Rosangela Justino já haver ela mesma presenciado, em conferências e congressos de gays e lésbicas,
“os próprios ativistas declararem quanto ao seu empenho em aprovar as leis de “políticas antidiscriminação” para depois, então, aprovarem “outras”, pois querem que sejam legalizadas todas as formas de expressão sexual, visto que “o importante é ser feliz”. Parece que a livre expressão da orientação sexual envolvendo crianças e adolescentes está incluída na diversidade sexual tão proclamada por estes movimentos sociais!" (Destaquei)


Cabe indagar à psicóloga Rosangela Justino:

- Qual o título, edição e página do/s livro/s de Judith Butler consta/m a defesa de atos sexuais incestuosos (pais & filhos) ou com crianças e adolescentes?

- Em qual página do livro de Judith Butler, Stuart Hall, Jean Baudrillard, Tadeu Tomaz da Silva e Guacira Lopes Louro, citados em sua “bibliografia”, consta a defesa de atos sexuais incestuosos (pais & filhos) ou com crianças e adolescentes?

- Onde e quando viu ativistas do movimento pelo reconhecimento dos direitos de lésbicas, gays, travestis e transexuais defenderem a pedofilia e o incesto?

- Qual/is ativista/s pronunciou/aram tais defesas?


Se por valores cristãos a psicóloga quer se referir a fraternidade, tolerância e solidariedade, expressos nos clássicos “ama o teu próximo como a ti mesmo” e “não faças ao outro aquilo que não queres que façam a ti”, não conseguiu a senhora Rosangela demonstrar que o movimento lgbt os desrespeita.

Tampouco conseguiu convencer que ela própria os respeita.


Com sua retórica de generalização e mistura, leviana, inverossímel, fraudulenta e antiprofissional, fica clara a sua intenção de, através da confusão, exacerbar temores vigentes no senso comum e canalizá-los contra pessoas de orientação homoafetiva.

Eis porque ela se opõe tão ferrenhamente contra o projeto de lei que sanciona práticas discriminatórias, a exemplo do racismo, contra pessoas de orientação homoafetiva. A aprovação do projeto PLC 122/06 virá impedir que dê continuidade à sua estratégia de incitação à intolerância, ao ódio, à desqualificação de pessoas por conta de sua orientação sexual.

Lamentável constatar que os recursos de nossos tributos são aplicados em publicações de semelhante qualidade.

Um comentário:

RESFOLEGANDO COM FRANCIELE MONIQUE disse...

Artigo, se é que podemos considerar como tal, completamente anacrônico, não sério com as condições de uma verdadeira, ou pelo menos um esboço, pesquisa científica...

Não há referência? Porque ela não pode endossar sua argumentação em tais autores...NÃO Existem tais passagens!

A parte da Revolução Científica... o que é isso? Essa Revolução que ela cita não é a mesmo que eu conheço lá do pessoal de Viena...


Que "Deus" a perdoe! Caso ele não perdoar, que qualquer outra entidade divina se encarregue....

Lamentável e o pior são as menifestações de apoio.. as pessoas dizendo SOU PSICOLOGO..me permitam saber onde voces todos se formaram???

Onde nesse pequeno País existe um colegiado, um copor docente-pesquisador que leva tais reflexões em consideração?
???

Como??? é inexplicável!