domingo, 4 de setembro de 2011

Silas Malafaia: "O pastor inflamado" - A encarnação do projeto de estado evangélico

A postagem de hoje do blog do Chico Bicudo divulga uma das matérias de capa da revista Piauí que chega às bancas: Silas Malafaia e a Igreja Assembleia de Deus - aquela mesma que já foi denunciada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa ao Conselho de Direitos Humanos da ONU - enquanto "personagem que "dá novo fôlego ao conservadorismo religioso" e "ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais", como aparece destacado na capa e no texto, de autoria mais uma vez de Daniela Pinheiro".

E é de fato impossível não se deixar tocar (no meu caso, de ficar indignado) pelo perfil de Malafaia escrito por Daniela. O que salta aos olhos, em minha leitura (sempre um processo marcado por singularidades), é o retrato de um sujeito preconceituoso, ambicioso, intolerante, truculento e perigosamente inteligente e articulado, muitas vezes com respaldo (quase adoração) dos fieis, que por tudo isso não deve ser apenas encarado como folclore, como chacota. Política e ideologicamente, é adversário a ser confrontado, porque o mundo fundamentalista que ele prega é radicalmente diferente, antagônico mesmo, dos valores sociais e humanos que defendo. 

Por isso mesmo, a leitura na íntegra do perfil é imprescindível, justamente para que se possa conhecer com mais detalhes com quem estamos lidando (e também, claro, para aprender jornalismo). Como contribuição, reproduzo abaixo alguns trechos do texto. Mas insisto - é preciso ler a reportagem inteira, de cabo a rabo. A revista está nas bancas.
Como contribuição, reproduzo abaixo alguns trechos do texto. Mas insisto - é preciso ler a reportagem inteira, de cabo a rabo. A revista está nas bancas.

Mercantilização da fé I - "Eu gasto milhões, milhões e milhões por mês com horário na televisão, congressos, cruzadas evangélicas, treinamento de pastores, abrindo novas igrejas. Como se paga isso? Não é um anjo do céu que desce com um cheque em branco para mim".  

Mercantilização da fé II (pregação de Malafaia durante um culto da igreja) - "Como a gente faz tudo isso? Só com a liberalidade e a fidelidade dos irmãos. Vamos zerar essa conta. Se você quiser fazer uma oferta especial, peça um envelope para você", disse a todos. "Vamos orar para Deus dar as verbas para vocês. Frutifica a semente que eu e meus irmãos plantamos!", gritou. Ouviam-se brados de "Aleluia", "Glória a Deus" e "Louvado". Alertou: "Ninguém pode ser constrangido a dar oferta. Ninguém é obrigado a dar. Ninguém quer que você tire o pão da boca das crianças nem que se endivide". (...) A repórter continua: "Dos cantos do auditório, saíram rapazes e moças distribuindo pilhas de envelopes onde se lia a frase: 'Minha semente para uma colheita abençoada', impressa sobre uma foto de ramos de trigo. Dezesseis deles também carregavam máquinas Cielo para o pagamento da doação em cartão de débito ou crédito. Na Vitória em Cristo, 30% das ofertas são acertadas no cartão. "Não se envergonhe, não se cale, você é um agente de Deus", disse Malafaia. O barulho de zíperes de bolsas e carteiras era ensurdecedor". (...) "Quando percebeu que o movimento dos obreiros havia cessado, deu a ordem: 'Levanta o seu envelope aí'. E, como uma onda feita por torcidas em estádios de futebol, os envelopes foram surgindo um a um e ficaram suspensos no ar. 'Glória a Deus', ele disse, antes de iniciar uma oração. Dias depois, calculou ter arrecadado dez mil reais naquela noite".  

Fiéis, religião e espetáculo - (repórter continua descrevendo um culto que reuniu cerca de 2.500 pessoas). "O público era, em sua maioria, de mulheres jovens, maquiadas e bem-vestidas, como se estivessem voltando do trabalho. Representavam a ascensão das classes populares brasileiras. Eram as novas secretárias,  telefonistas, recepcionistas. Os homens presentes vestiam terno e gravata ou paletó com camiseta por baixo". (...) Sua performance (de Malafaia) é uma combinação de memória prodigiosa e desempenho cênico. Ele é onomatopeico, careteiro e versátil no uso da voz - com a qual percorre uma escala extensa, do falsete quando imita alguém que faz uma pergunta tola, ao grave profundo que enfatiza uma frase mais solene".   

Discurso conservador - "O seu discurso (de Malafaia, novamente) é socialmente conservador, e suas trovoadas retóricas recaem sobre grupos organizados que militam pela afirmação das minorias e pelos direitos individuais. Considera-os liberais, termo que nas suas pregações ganha conotação pejorativa, deslizando no mesmo campo semântico de libertinagem: umbandistas, a esquerda da Igreja Católica, pastores de outras denominações religiosas, feministas, defensores do aborto e da eutanásia. Nos últimos tempos, o seu alvo predileto tem sido os gays".

Conservadorismo e machismo - "Aí vem a irmã dentro da igreja com a roupa arroxada, os dois melões de fora e o cara do lado só olhando, só no somebody love. (...) Se você está indecorosa, você peca e faz outro pecar! E se você deixa sua mulher sair assim, você é um mané, um otário! Bota o silicone que você quiser, minha irmã! Mas se você quiser ser o instrumento do pecado, a glória de Deus vai embora e você vai pagar a conta com Jeová!".

Homofobia e fundamentalismo bíblico - "Cada um faz sexo com quem quiser. O que tenho é o direito de falar que isso é pecado, que é condenado por Deus e que a Bíblia diz que é uma perversão. Agora, o que esse pessoal quer não é o direito de fazer sexo - porque isso já fazem e não vão parar de fazer. Eles querem é colocar uma mordaça na nossa boca para nos proibir de falar qualquer coisa sobre eles". 

Homofobia e fundamentalismo bíblico II - Num trecho da matéria, Elizete Malafaia, psicóloga e esposa do pastor, diz que "atendeu inúmeros gays e sustentou que a maioria teria sido abusada na infância. 'A homossexualidade é uma desorganização emocional e espiritual. Se a pessoa não perdoou o abuso, ela canaliza aquela raiva para a vingança e, inconscientemente, se torna um abusador também". 

Relações com a Rede Globo - "Silas Malafaia contou que, no final do ano passado, foi chamado para uma conversa pelo vice-presidente das Organizações Globo, João Roberto Marinho. O dono da Globo lhe disse que a rede queria conhecer melhor o mundo dos evangélicos. E contou terem percebido, na emissora, que Edir Macedo 'não era a voz' dos protestantes no Brasil. Desde então, eles mantêm um canal de comunicação. 'Sabe quantas vezes apareci no Jornal Nacional só este ano?', perguntou o pastor, dando a resposta com a mão aberta. 'Cinco'".
Eu vou agorinha pegar minha bicicleta e fazer aquilo que o Chico recomendou: correr à banca e adquirir o meu exemplar da Piauí, pois o de agosto também estava excelente - tô recomendando até hoje as matérias sobre a produção das doenças mentais e a sobre o sequestro e torturas contra a jornalista e o fotógrafo de O Dia, além daquela do Jobim.

2 comentários:

Rita Colaço Brasil disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mary da silva disse...

malandro é malandro!!mané é mané!!