terça-feira, 25 de outubro de 2011

As ameaças do Senador Lindbergh ao Conselho Curador da EBC e certos petistas



Aproveito para informar que solicitei à TV Senado, ontem por emeio, cópia do vídeo dessa reunião, que foi ao ar pela TV Senado em 30 de setembro às 21h30. Até o presente momento nenhuma resposta obtive. Espero, porém, que os valores republicanos de acesso universal à informação sejam respeitados nesse caso. [Comentário inserido em 05/04/12: O Senado respondeu, informando os procedimentos para conseguir obter os vídeos. Assim que consiga preencher o formulário e enviar todos os CDs necessários, informo por aqui.)

O Senador (em quem desafortunadamente eu e minha família votamos), após desqualificar e tentar deslegitimar o Conselho Curador da EBC, afirma com todas as letras que a atitude do Conselho em determinar a retirada da programação evangelizadora da TV Brasil produziu um estrago político no governo Dilma pior do que qualquer atitude da oposição

Eu falei aqui: não teve nenhum ato político feito pela oposição que causou um estrago político tão grande para a Presidenta da República quanto esse. -Não, não é isso. Eu falei com a Presidenta, a Presidenta está contra isso.-
Seguindo com a sua fala, informa que, por conta desse "estrago" produzido, ele teve que modificar toda a sua agenda por várias vezes, a fim de "apagar incêndios". No mesmo seguimento, esclarece a posição da Presidenta Dilma a respeito da questão do aparelhamento religioso do estado e suas emissoas:

eu tive que mexer em minhas agendas várias vezes para ir apagar incêndios, para ir dizer: -Não, não é isso. Eu falei com a Presidenta, a Presidenta está contra isso.-
Então, sinceramente, acho que a discussão que a gente vai ter que ter aqui é sobre o funcionamento da EBC e desse Conselho. Não podemos ter um conselho de iluminados que se distancia do mundo real, que não escuta a opinião dos outros.

 
Desculpe a contundência, Daniel [representante do Conselho Curador], que eu respeito, sou admirador seu, mas eu acho que é isso. Ao fundo e ao final de tudo isso, a gente tem que repensar um conselho,[...] Não pode ter um conselho que esteja acima do voto popular, da vontade da Presidente. Eu, sinceramente... Não pode, porque eu vi a Presidente fazendo gestões, pedindo, conversando com pessoas. Que Conselho é esse?
Agora, a discussão para mim mudou de rumo: não é só mais esse programa, é esse Conselho. Não pode. Não pode, não se assenta em bases legítimas. A legitimidade, volto a dizer, estou repetindo, é o povo.
[...]
Parece um conselho de iluminados. Desculpe, Daniel, desculpe o termo: estão se achando!
Está falando aqui um Senador do PT que defende esse governo, mas devo dizer, e encerro dizendo isto, que, nesses sete meses de mandato, nunca tive que me explicar tanto, nem na votação do salário mínimo.

Ou seja, o Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) explicitamente afirma que a posição da Presidenta Dilma concorda com esse entendimento de que as emissoras públicas devem continuar a ser aparelhadas por setores religiosos.

O Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) explicitamente apresenta a sua concepção de democracia - o governo da maioria, no caso da maioria (suposta) de religiosos fundamentalistas. Na contramão da ciência política e da decisão do STF que expressamente firmou o entendimento de que a democracia é, sobretudo, a preservação dos direitos das minorias. 

Mas aqui, neste caso estrito, não se tratam de maiorias ou minorias, mas, sim de um princípio basilar, pétreo da essência da própria república: o caráter laico do estado.

Leia a íntegra do diálogo entre o Senador Lindbergh e o representante do Conselho Curador, o Historiador Daniel Aarão Reis Filho e tire suas próprias conclusões sobre a inadmissível ameaça de golpe que o referido Senador promove sobre o Conselho Curador.


Silenciar quanto a essa atitude é inadmissível. Sobretudo porque advinda de um petista. Recém saímos de um período de mais de vinte anos de governo autoritário, ditatorial. Ninguem que seja comprometido com os valores republicanos e democráticos pode permanecer em silêncio diante da atitude do senador Lindbergh.


Tampando o sol com a peneira da tendenciosidade
Entretanto, há quem prefira defender o ponto de vista de que a posição do Senador Lindbergh foi pessoal, não traduziu em absoluto o desempenho de tarefa à qual foi destinado pela própria Presidenta.

E, pior, tentam fazer com que nós outrxs igualmente tenhamos nossas faculdades de discernimento obscurecidas. Nesse propósito, vêm a público sustentar que 

A preocupação do senador e amigo @LindberghFarias é evitar que medidas anti-laicas sejam lidas como medidas anti-religiosas.
Segundo tal militante petista, o Senador do PT-RJ lhe telefonou para esclarecer a sua posição:
 Segundo @lindberghFarias , os programas eram tradicionais, e foram extintos de maneira abrupta, o que causou fortes reações no RJ.
Curioso que o Senador apenas reconheça como interlocutor legítimo um LGBT petista que inclusive não é do Rio de Janeiro. Em seu TT, apesar das incontáveis referências nas redes virtuais à sua ameaça de golpe no Conselho Curador da EBC, o Senador optou pelo mais absoluto silêncio.

Outros aspectos curiosos são a alegação de que a supressão da programação evangelizadora teria se dado de forma abrupta e o total silenciamento quanto a ameaça - real e concreta - que dito Senador promoveu em face do Conselho Curador da EBC.

Um tal posicionamento somente mostra que esse militante petista lgbt simplesmente desconhece o caso - neste blog ampla e detalhadamente narrado. Quem tiver interesse, aqui está. Basta querer ler. Com paciência e atenção.

Mostra, igualmente, que sequer leu a fala do Senador petista fluminense. 

Eu, de minha parte, não posso levar a sério quem tome posições a partir de critérios de amizade e em assuntos sobre os quais não se informou adequadamente.

Sobretudo de ativista político que reiteradamente tem vindo a público manifestar posições igualmente autoritárias, desqualificadoras de interlocutores e que apenas reconhece  interlocutores que sejam de seu partido, de sua ong e de sua rede.

Um ativista que de público já manifestou-se no sentido de que não existe militante LGBT:
não existe "militante LGBT". Existem militantes. Todos com opinião política, ideologia, partidos. De direita, centro ou esquerda.
O comentário se deu em contexto de crítica aos conflitos de interesses verificados entre ativistas LGBT adeptos de organizações partidárias. Inicialmente criticara "a militância que não se assumia partidária, fazendo o serviço pros tucanos". Como um interlocutor (ativista não partidário) lhe retrucasse que "pior são os que fingem ser militantes lgbt mas estao a serviço de seu partido e interesses particulares", proferiu este esclarecimento acima destacado.

O mesmo militante petista no dia 20 fora interpelado em rede virtual sobre se havia desistido dos seus esforços junto ao petista Tião Vianna, governador do Acre acusado de participar da manifestação pelo “orgulho hétero” e de querer construir com dinheiro público um parque gospel. 

Respondeu desqualificando o interlocutor. Este não pertencia a nenhuma das esferas às quais confere lealdade. 

desculpe, mas nesse tom não rola. Vc não é meu companheiro de Partido, de ong, de rede de mov. nem amigo pessoal.
Fora delas, uma vez mais deixa escapar, nenhuma possibilidade de esclarecimento, de prestação de contas, de respeito.

Em outro momento, o mesmo ativista segue nos ajudando a compreender a face autoritária e não-republicana presente em setores dessa parcela hegemônica dos movimentos LGBTTs. 

É no momento em que afirma a sua dificuldade em manter diálogo quando o interlocutor faz críticas:
gente de direita sem formação política é triste. Discutir com senso comum não dá. Prefiro os ativistas do PSDB e afins.Esse sabem.
 Repito: Silenciar quanto a essa atitude do Senador Lindbergh é inadmissível. Sobretudo porque advinda de um petista. Recém saímos de um período de mais de vinte anos de governo autoritário, ditatorial. Ninguem que seja comprometido com os valores republicanos e democráticos pode permanecer em silêncio diante da atitude do senador Lindbergh.

Ademais, não posso levar a sério quem tome posições a partir de critérios de amizade e em assuntos sobre os quais não se informou adequadamente.

Sobretudo de ativista político que reiteradamente tem vindo a público manifestar posições igualmente autoritárias, desqualificadoras de interlocutores e que apenas reconhece  interlocutores que sejam de seu partido, de sua ong e de sua rede.

Não se tratam de interpretações ou de notícias. São as notas taquigráficas da reunião, elaboradas pelo setor competente do próprio Senado da República. 

6 comentários:

Rita Colaço Brasil disse...

Em respeito à verdade, trago o comentário de outro petista sobre o mesmo assunto, enviado para a postagem
http://comerdematula.blogspot.com/2011/10/face-fundamentalista-do-governo-dilma.html


Mariante disse...
Rita, como militante do PT e do movimento pelos direitos humanos, te agradeço por trazeres esta informação e desde já informo que encaminharei algumas iniciativas sobre o que aconteceu, especialmente a fala vergonhosa do Senador Lindbergh Farias. Um beijo, Mariante
24 de outubro de 2011 11:49

Rita Colaço Brasil disse...

Constituição Federal de 1988

Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;

Rita Colaço Brasil disse...

Conselho Curador EBC
Conselho curador da EBC
Finalidade
Conselheiros
Audiência Pública
Atas de Reuniões
Resoluções
Contatos
Consulta Pública
Plano de Trabalho

http://www.ebc.com.br/conselho-curador

Rita Colaço Brasil disse...

Veja a composição do conselho Curador, que o Senador Lindbergh Farias tentou desqualificar e deslegitimar:

http://www.ebc.com.br/conselho-curador/conselheiros

Rita Colaço Brasil disse...

Veja o histórico da decisão de substituir a programação religiosa de caráter evangelizador por outra:


A prova de que não foi uma decisão apressada e tampouco não divulgada:
http://www.ebc.com.br/node/1561/

Quem ouve e assiste as emissoras da EBC estavam a par de toda a discussão, inclusive participando das Audiências públicas.

Aqui no Rio, foi no Auditório da Rádio Nacional, em 1/06/2010 (http://www.ebc.com.br/node/1566/)

Rita Colaço Brasil disse...

O troglodita golpista disfarçado de esquerdista do Senador Lindbergh Farias cumpriu sua AMEAÇA DE GOLPE CONTRA O CONSELHO CURADOR DA EBC e apresentou o seu projeto de Decreto Legislativo!

E agora, senhor petista legebetista, como o senhor vai continuar a defender o seu "amigo"? A continuar a afirmar que ele não agiu em nome da Presidenta, hein?

Veja a íntegra do Projeto de Decreto Legislativo aqui
http://fiscaisdefiofo.ligahumanista.org/post/12017178234/ebc-e-a-teocracia-institucional